Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


http://obviousmag.org/renato_collyer/2015/07/marx-e-a-questao-da-lei-como-controle-estatal.html?utm_source=obvious+newsletter&utm_campaign=ce328e698e-MAILCHIMP_DAILY_EMAIL_CAMPAIGN&utm_medium=email&utm_term=0_7d1f58ded8-ce328e698e-213226541&goal=0_7d1f58ded8-ce328e698e-213226541

 

Seria a lei (e, por extensão, todo o sistema jurídico) um instrumento de controle social a serviço da classe dominante? Pretendemos com o presente artigo estudar sobre essa questão. O estudo da teoria Marxista é relevante na medida em que se propõe a equacionar politicamente a sociedade segundo um modelo justo de distribuição das riquezas. Até que ponto este modelo é praticável ou (ainda) até que ponto é interessante para quem está no poder?

  • marx.jpg

Karl Marx nasceu em 1818, na cidade de Tréveris, na Alemanha e faleceu em Londres no ano de 1883. Sua vida foi marcada pela militância incansável na busca de transformar suas teses em um projeto político que se implantasse na Europa e se espalhasse por todo o mundo. Em breves linhas, o pensador alemão representou um marco na defesa da implantação do Socialismo Científico, o qual considerava que se realizaria a partir do momento em que a classe operária tivesse consciência de seu papel revolucionário e conseguisse destruir por completo o modo de produção capitalista.Como bem definido na obra “O Capital”, para Marx, o Estado não é mais a realidade da ideia ética, mas violência concentrada e organizada da sociedade. Sob o prisma da teoria marxista, é preciso analisar as relações jurídicas conjuntamente aos fatores sociais e econômicos, descartando a possibilidade de uma analise unicamente formal e isolada. Assim, a economia está entrelaçada às relações jurídicas, funcionando como fator determinante das relações socioeconômicas predominantes.Para Marx, as relações jurídicas se enraízam nas relações materiais de vida, não podendo ser compreendidas sob o enfoque isolado do que são ou mesmo sob o enfoque do desenvolvimento geral da coletividade. É dele a frase: “a história de toda a sociedade até aqui é a história de lutas de classes (Manifesto do Partido Comunista, 1848).Como forma de ruptura com as estruturas sociais beirando ao caos social – em que impera a exploração do homem pelo homem, da ausência de isonomia entre membros da coletividade e desrespeito da condição humana – a teoria marxista arquiteta o governo provisório do proletariado. Uma vez que a práxis política comunista só pode ser implantada com a ruptura do sistema capitalista vigente, a iniciativa parte do explorado em dar fim ao governo dos senhores em face das classes servis.Assim, a força da revolução surge como uma resposta ao sistema que está implantado e não como uma ação originária contra o sistema. É uma reação contra algo que já está implantado, que não admite a ascensão da classe proletária ou mesmo a redução das desigualdades sociais verdadeiramente visíveis.Para Marx, o Estado funciona como mecanismo de dominação de uma classe social pela outra, como um meio de projeção política da classe dominante. Desse modo, a classe dominante tende a sufocar a classe subjacente.Como esclarece Paulo Nader (1999, p. 229), “o Estado seria também uma instituição a serviço da classe dominante, pois, além de se estruturar por modelo jurídico, é fonte criadora do Direito. A extinção das classes provocará, igualmente, a extinção do Estado”.Assim, fica evidente o enfoque de que Direito e Estado são vistos como grandes estruturas que apenas confirmam a vontade dos dominadores em detrimento dos dominados. Também o poder do Estado funciona, primariamente, como órgão de defesa dos interesses comuns da sociedade. Porém, à medida que esse poder se torna independente da sociedade, o Estado passa a ser um órgão de uma determinada classe, impondo mais diretamente o seu domínio.A luta das classes – a oprimida contra a dominante – assume um caráter de luta política. Na medida em que se desmembra da coletividade, o Estado cria uma nova ideologia. Desse modo, o Direito Público e o Privado são encarados como dois campos independentes, com seu desenvolvimento histórico próprio, campos que permitem e exigem uma construção sistemática.Para Marx, o Direito está longe de ser um instrumento para a realização da justiça, tampouco emana da vontade do povo, mas, sim, é uma estrutura ideológica a serviço das classes dominantes. Sempre que uma classe se mantiver no poder, haverá Direito e Estado.Também a propriedade não é encarada como um Direito Natural de todo indivíduo, nem como uma conquista de todos os homens em favor do equilíbrio social, nem como um meio de conceder a cada um conforme seu trabalho. A propriedade privada não é um mal em si, mas seu uso proporciona a desigualdade das classes e a exploração dos menos favorecidos, sendo vista como o ingrediente que diferencia os homens entre si, causando distorções entre as classes.A partir disso, assegura-se a manutenção dos interesses do poder e de alienação do proletariado pela “servilização” do trabalho, sendo mais uma forma de exploração. A abolição da propriedade privada, mesmo contrariando muitas ideologias, é regra comunista que possui suas razões.A participação da propriedade no comunismo a ser instaurado após a ditadura do proletariado há de ser coletiva. Assim, para todos é dado o que é de todos.Com a instauração do comunismo de bens, o homem poderia experimentar sua própria natureza como ser capaz de trabalho, uma vez que estariam ausentes a propriedade privada, o Direito, o Estado, a burocracia e a própria distribuição piramidal dos membros da sociedade.O enfoque principal da reflexão marxista está na justiça social, em que se centralizam todos os instrumentos de produção nas mãos do proletariado organizado em classe dominante, aumentando, assim, o total das forças produtivas.O estudo da teoria Marxista, portanto, é relevante na medida em que se propõe a equacionar politicamente a sociedade segundo um modelo justo de distribuição das riquezas, ainda que, na prática, tem-se percebido se tratar de um ideal, até certa medida, inatingível.ReferênciasARON, Raymond. As Etapas do Pensamento Sociológico. Lisboa: Publicações D. Quixote, 2007.MUSSE, Ricardo. Fato social e divisão do trabalho. São Paulo: Atica, 2007.NADER, Paulo. Filosofia do Direito. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

 
renatocollyer

RENATO COLLYER

Um amante da Filosofia e da arte do pensar que se aventura na incessante busca pelo (verdadeiro) motivo das coisas. Graduando em Ciências Sociais e História. Formado em Direito. Mestrando em Direito. Pós-Graduado em Política e Sociedade, Direito Público, Direito Ambiental e Educação Ambiental..

 

© obvious: http://obviousmag.org/renato_collyer/2015/07/marx-e-a-questao-da-lei-como-controle-estatal.html#ixzz3hOpngWIs
Follow us: @obvious on Twitter | obviousmagazine on Facebook

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Minha derradeira vitória

por Hilton Besnos

Hilton Besnos

Tenso como uma peça de estanho, busco em tua vida o que restou da minha. Lembro-me, sempre, de como aconteceu a minha morte, meu derradeiro alento. A lâmina penetrou profundamente em minha carne; primeiro em meu braço, mas eu ainda vivia, depois meu fígado e rins foram golpeados, mas mesmo assim eu lutava desesperadamente, até que, finalmente, abandonei-me ao torpor quando a quarta facada feriu minha jugular.

Esvaí-me como uma vela se apagando, e apenas restou de mim o que agora sou. Algo que vagueia. Meu ódio é tão grande que necessito agora, quase como se fosse uma nova vida, buscar as tuas vidas, aquelas que ocultastes de mim, as que me escondesses, me condenando a ser o que agora sou. Agora percebo que não vivestes apenas uma vez, mas muitas, que não eras apenas quem eu conhecia, mas que teu corpo apenas era uma lembrança a mais entre todas as vidas que já tivestes. Em todas elas, de algum modo, já me matastes, ou de amor ou de compaixão. Sempre fui tua vítima, sempre fosses minha algoz.

Por ora já te encontrei algumas vezes, mas por mais que eu fizesse, sequer notasses minha presença. Te busquei na tua casa, na odiosa casa onde fazes jantas amorosas para tua família, onde teu homem se refestela em teu corpo macio e delicioso que já me pertenceu. Fostes tu que me mandastes matar, por puro medo. Medo de perder o teu homem, os teus vestidos, os teus broches, as tuas jóias; medo de perder teu filho, de ver escapar entre tuas mãos adoráveis o que conseguistes graças às tuas seduções.

De onde estou, posso ver tudo, inclusive o que pensavas e pensas de mim. As tuas preocupações quanto a ligarem minha morte à tua pessoa. Ah, se eu pudesse gritar! Se pudesse ser ouvido! Todos saberiam como és vil, maliciosa, como usas de teus maneirismos para conseguir o que queres, quanto és capciosa e quanto o ardil habita teus seios e tua mente insidiosa! Mas, de onde estou, ninguém me ouve. Mais uma vez estou só.

Desloco-me entre as paredes de tua sala, te vejo dormir. Quanto a mim, não durmo mais, não descanso, não amo, não falo nem sussurro e apenas o ódio me nutre, me deixa rígido como uma pedra. Não tenho fome, nem sede; não tenho compaixão nem solidariedade. Sou uma essência de tormenta, sou um ser sem qualquer ligação com o mundo e se não passo de uma lembrança mais ou menos chorosa para os meus, devo isso a ti, que encomendaste a minha morte, e pagou a mão do assassino.

Não havia amor entre nós, isso nunca houve, apenas paixão, desejo, vontade de sexo, como se fossemos dois animais. Éramos assim, dois corpos que vadiavam juntos durante o tempo que podíamos. Uma unidade é o que éramos. Houve, contudo o momento em que nos separamos; e daí para diante te recusastes a me receber e a sequer falar comigo. De amante passei a ser temido, porque te poderia denunciar.

Aproveitei, sim, – claro! – aproveitei a situação: passei a te extorquir dinheiro, para gastar com outras e para te humilhar. Me suplicastes, lágrimas nos olhos (grande hipócrita!) para que eu te deixasse em paz, mas não te escutei e, de novo, te tomei o corpo e mais um pouco de teu dinheiro. Foi a última vez das muitas em que te possuí, mas estavas apenas entregando teu corpo, pois tua mente não mais era minha.

Então me mandaste matar. Tudo quanto passei, apenas uma certeza me acorre: vais pagar. É o que me embala, o que me nutre, o que me espanta e me acalenta: tomar a tua vida como mandastes tomar a minha. O que me poderia impedir é o sentimento que te devotei, mas, como tu mesma, ele era falso. Sempre fomos falsos, mentirosos, subreptícios, maldosos.

Não sei qual de nós é o mais falso, mas o brilho do meu ódio não. Esse, sem dúvida, é verdadeiro, como verdadeiro era o brilho da lâmina que me feriu e que me pôs aqui, absolutamente só, tão amargamente triste como uma pequena ferida a ferro e fogo, que não cicatriza. Somente me sustenta a tua lembrança e, alegre, já planejo, aqui, minha derradeira vitória.

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

A tatuagem

por Hilton Besnos

Hilton Besnos

Para Lisley Nascimento

Há tempos que eu queria tatuar-me e, pensando se deveria ou não fazê-lo, refleti nas inesperadas conseqüências de se falar com a pele. Porque tatuar é falar, não é?Não tenho com quem conversar, mas uma tatuagem poderia dizer o quanto me sinto sozinho. Penso… será que eu e minha tatuagem conversaremos? Essas cicatrizes não me deixarão ainda mais só? Não freqüento a mídia, nem as galerias de arte; não sou político, nem jogador de futebol, portanto, esse desejo não é umnenhum golpe publicitário. Minha decisão de tatuar-me reside apenas na vontade de não afastar, nem que seja por um pouco, a solidão na qual estou prisioneiro.

Sou um homem que, amadurecido,já viveu o bastante para saber que o tempo não apenas devora tudo, mas, especialmente, vai apagando algumas memórias que me são muito caras. Sinto que progressivamente minhas recordações me abandonam, como me abandonaram os filhos, um a um.

Cada um deles possui suas razões, cada um deles também tem sua família. Os netos, igualmente, pouco me vêem. É claro que nas datas festivas fazem o possível para olhar o pai, o avô, e homenageá-lo, cada um de seu modo. Quando as festas se vão, igualmente eles partem, como o movimento contínuo das marés; eu fico aqui, imerso em meus pensamentos que também, a cada dia, mais se ausentam das minhas percepções.

Continuo elegendo um espaço de tempo para a leitura, pois até mesmo o computador, que manejava com uma certa destreza, atualmente me enfada. Minha velha paixão pelos livros retornou há cinco, seis anos… Prefiro sentir o cheiro das capas e de suas folhas do que a da luz infinitamente gélida de um monitor. Os livros me devolvem algumas de minhas memórias, me mostram que ainda estou vivo. Mas afinal, quando se está só, está-se realmente vivo?

Aposentei-me há muitos anos. Minha amada se foi antes de mim e dela são as minhas recordações mais prementes. O seu cheiro, suas risadas e mesmo seus amuos. Construímos uma história tecida de sonhos, de belezas entremeadas aqui e ali de alguns desapontamentos e mesmo de desilusões. Quando, à noite, mergulho em meus sonos breves e entrecortados, seu rosto e seu sorriso é o que mais vem se juntar a mim. A morte que levou-a e acabou com minha paz fez-me intuir que deveria preparar-me para encontrá-la. No entanto, passaram-se anos e nada mais tenho a reconstruir, senão a sua ausência. Quando as noites caem, muitas vezes apanho meu carro(ainda dirijo, posso garantir) e circulo sem rumo pela cidade. Todos me alertam quanto aos riscos que corro, mas, de certo tempo para cá, não sei se faria tanto mal ser surpreendido por algum perigo…

Numa noite dessas, sentei-me diante da tela fria de um computador. Num desses sítios de busca, lancei de pronto “tatuagem”, o verbete “tatuagem”. Há sete anos esse verbete me persegue e me assombra. Digo, também, que há sete anos esse verbete me instiga a escrever no corpo, um nome. Muito calmamente pensei, arquitetei, escolhi a melhor pele do meu corpo cansado.Tatuar-me? Há alguns meses, na Cultura, deparei-me com um capa vermelha de um livro que me parecia convidativo. O corpo em performance… Resolvi me tatuar. Inscrever o nome de minha amada sobre meu corpo de modo que jamais pudesse esquecer. A cada vez que lesse o que em minha carne ficaria gravado, retornariam as memórias, os beijos, as pequenas rusgas, e , com o recordar viriam, também, a infância dos filhos, os momentos que me orientaram como pai, os pequenos movimentos que fazemos diuturnamente e que são devorados com o romper dos anos. Viveria tudo de novo.

“Tatoo Press”, what that means? pensei eu quando entrei no ambiente acanhado, mas imensamente iluminado, onde exibiam-se desenhos e alguns posteres improváveis na parede. Imprensa tatuada? Não sei precisar se estava correta a minha literal tradução do inglês. Uma bela moça veio me atender, certamente, pelo sorriso, entendi que  ela pensava que, inadvertidamente, eu havia entrado na porta errada… “Não”, eu disse “eu quero tatuar a minha pele.” O espanto traduziu-se, em princípio, por um alçar de sombrancelhas, que emolduravam belos olhos castanhos. “Sim, quero fazer uma tatuagem, enfim, saber os detalhes, o que é necessário, quanto custa, etc”.

Dias depois eu tinha uma inscrição no meu antebraço. Mandei fazer um coração, como uma moldura. Dentro, o nome da minha amada e, abaixo do conjunto, emoldurado por uma lua azulada, o nome de dois locais de minha intensa recordação afetiva. Se senti dor? Claro que sim! Mas, de certa maneira, a dor é uma amiga que á me acompanha pela vida… mais próxima nos últimos anos.

Imagino, entre curioso e divertido, o que meus filhos e meus amigos irão dizer quando testemunharem a minha morte, quando enfim eu me for, e, só nesse momento, poderem ver minha tatuagem. Não contei para ninguém que me tatuei e guardo, comigo, como um mapa do tesouro, as pequenas cicatrizes coloridas na minha pele. Um derradeiro segredo, uma fonte de volúpia. Apenas quando me banho revelo para mim mesmo as marcas que mandei fazer em meu corpo. Converso de vez em quando com essas inscrições como se fossem uma amiga cálida, como se elas sempre tivessem estado ali.

De certo modo, a conversa com minhas tatuagens mantém minha mente ativa, porque na escuta… É um espelho que me recorda, ainda, o que de melhor em minha vida eu experimentei e disso eu posso contar. Dia desses, calor abrasivo, voltei à Cultura e procurei o livro que me deu a idéia da tatuagem. Lá estava o artigo na página 97, “Tatuagens e cicatrizes: performances narrativas na contemporaneidade”. A autora, das terras distantes de Minas, Lyslei, Lyslei Nascimento, nascimento… Que nome estranho para se ter em Minas…

Em casa, com o livro a minha cabeceira, adormeci e parece que não sonhei… Quando o dia nasceu, demorei-me ainda a contemplar o pequeno livro vermelho e, junto a ele, minha inconcebível inscrição. Após tantos anos, nunca me sentira tão bem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Não me conformo

por Hilton Besnos

PORTO ALEGRE, 2011. 

Hilton Besnos

Dia desses me aborreci quando tomei o ônibus R41-Protásio. Podendo parar próximo a mim, e sem qualquer outro ônibus por perto, o motorista decidiu estacionar, simplesmente por uma falta de atenção com o passageiro, muito mais longe. Quando reclamei, fui destratado.

O que tenho observado, cada vez mais, é o individualismo, a inflamação dos egos e o banimento do humor e da delicadeza, que alguns chamam de urbanidade. Jovens e adolescentes que estejam sentados nas poltronas de um ônibus são incapazes de ceder seu lugar para grávidas ou para pessoas idosas ou com algum tipo de dificuldade.

Motoristas utilizam indiscriminadamente buzinas a todo instante, inclusive para assustar pedestres; costumam também alguns passar por cima das poças d’água em dias de chuva, para molharem os passantes que, por sua vez, tem o hábito de atravessarem ruas e avenidas como se estivessem em casa indo da sala para a cozinha, sem qualquer tipo de cuidado. Em dias de jogos de futebol ou algum outro evento de monta, saem os automóveis buzinando e os torcedores gritando, sem dar a mínima se estão ou não passando por algum hospital, por exemplo. O trânsito, assim como os hospitais e as salas de professores são locais sabidamente estressantes.

Colegas de trabalho não se comprazem mais só em bisbilhotar a vida de seus pares, usando ainda de maldade contra os mesmos, apenas para fazerem uma mediazinha com a direção, ainda mais em época de eleição de escola, ou em situação semelhante. Se você demonstra interesse em relação a terceiros, se os cumprimenta e os ouve educadamente, azar o seu, porque serão raros os que retribuirão. Há mais de vinte anos atrás Betinho, irmão de Henfil, ambos falecidos, disse em um programa que estava convencido que havia uma campanha mundial para imbecilizar as massas. Tenho plena certeza que ele estava certo.

Dias atrás a direção da minha escola convocou uma reunião com os professores. O únco assunto pautado foi, durante uma hora, uma reclamação constante em relação aos procedimentos errados dos professores em termos administrativos. Tudo foi cobrado. Em nenhum momento houve sequer uma referência a algo de positivo que os professores porventura tivessem feito. A direção esclareceu que uma boa parte das informações que serviram de base para a reunião partiram de alguns professores, obviamente não identificados mas, por alguns, facilmente identificáveis, o que fomenta ainda uma separação maior entre o grupo. E aqui, o adágio judaico cabe: “O que Pedro diz sobre Paulo diz mais sobre Pedro do que sobre Paulo.”

Esse deslocamento que sinto às vezes em relação à época em que vivo é muito real. Gostaria de não ser um número, uma matrícula; adoraria viver em um mundo com mais gentileza, mais autenticidade, mais solidariedade; adoraria ser respeitado pela história pessoal que construí ao longo dos anos, e não de ser tratado como alguém que só interessa quando e nas circunstâncias em que são consideradas convenientes por “a”, “b” ou “c”, sejam quem sejam. O mesmo estendo aos demais e de modo geral. Continuo detestando arrogâncias, burrices, desinteligências, games e estratégias. Mas, definitivamente, deveria me conformar a isso tudo. E aí, talvez o problema seja meu: não me conformo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Nada para escrever

por Hilton Besnos

Nada para escrever, escrevendo já o que outras linhas discursaram….

Disseram e muito, especialmente do que ficou por aí, nas mensagens truncadas, nos pedaços de mensagens perdidas, especialmente nas intenções. Vontades, desejos que vão parar nas escritas, nos contos, nas fantasias, em um mundo todo que traça em si mesmo uma argumentação, uma rede que vai se expandindo através do tempo, das experiências, dos limites e dos limitantes que impomos a nós mesmos, ou que aceitamos imporem, aos manejos e remanejos nos quais vamos acomodando as nossas histórias, e daí reinventando estórias e revisitando, em primeiro lugar, a nós mesmos.

Escrever é um bálsamo, mas de vez em quando pode ser um gume afiado a nos espreitar quando, para os leitores, criamos personagens mas, intimamente sabemos que se trata de uma confissão, de uma crueldade que desejamos ou abominamos, mas que está ali, em nossas redondezas, em nossas vizinhanças mentais… criamos então a ficção, forma sutil de compartilharmos tudo com todos, de fazermos com que nos identifiquemos com uns e outros personagens, e gozemos, especialmente, do simulacro de sermos deuses enquanto confessamos a nós mesmos nossos pecados e expiamos nossas culpas.

Alimentamos assim, aqui e ali, nossas embarcações de novos portos, nossas camas de outras(os) personagens, nossas angústias de novas vibrações, como se fossemos imensos tambores que, além de repercutirem em nós mesmos, fazem também com que o mundo reconheça, em cada uma de suas batidas, o muito de humanidade e de inegável tristeza a que estamos condenados. Afinal, como navegar é preciso e viver não é, se a poesia que tornou em beleza o pensamento de Fernando Pessoa é ainda e será a que nos embala e embalará, nos fazendo sonhar?

Como descolarmos de nós (nosotros seria melhor, mais sonoro, aqui) nossa descendência lusitana, com seu muito de dramaticidade que conduz nossas próprias naus? Como escrevermos, a não ser em português? Salvai-nos, Saramago! HILTON BESNOS

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Pau de dois bicos

por Hilton Besnos

Monteiro Lobato

Um morcego estonteado pousou certa vez no ninho da coruja, e ali ficaria de dentro se a coruja ao regressar não investisse contra ele.

– Miserável bicho! Pois te atreves a entrar em minha casa, sabendo que odeio a família dos ratos? – Achas então que sou rato? Não tenho asas e não vôo como tu? Rato, eu? Essa é boa!…

A coruja não sabia discutir e, vencida de tais razões, poupou-lhe a pele. Dias depois, o finório morcego planta-se no casebre do gato-do-mato. O gato entra, dá com ele e chia de cólera.

– Miserável bicho! Pois te atreves a entrar em minha toca, sabendo que detesto as aves?

– E quem te disse que sou ave? – retruca o cínico – sou muito bom bicho de pêlo, como tu, não vês?

– Mas voas!…

– Vôo de mentira, por fingimento…

– Mas tem asas! – Asas? Que tolice! O que faz a asa são as penas e quem já viu penas em morcego? Sou animal de pêlo, dos legítimos, e inimigo das aves como tu. Ave, eu? É boa…

O gato embasbacou, e o morcego conseguiu retirar-se dali são e salvo.

Moral da Estória: O segredo de certos homens está nesta política do morcego. É vermelho? Tome vermelho. É branco? Viva o branco!

 

Leia mais:http://www.mensagenscomamor.com/livros/fabulas_monteiro_lobato.htm#ixzz3hNQMg7bs

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

A beleza do alce

por Hilton Besnos

Eliseu Antonio

A água do lago estava tão limpa que parecia um espelho. Todos os animais que foram beber água viram suas imagens refletidas no lago. O urso e seu filhote pararam admirados e foram embora. O alce continuou admirando a sua imagem: – Mas que bela cabeça eu tenho. De repente, observando as próprias pernas, ficou desapontado e disse: Nunca tinha reparado, nas minhas pernas. Como são feias! Elas estragam toda a minha beleza!

Enquanto examinava sua imagem refletida no lago, o alce não percebera a aproximação de um bando de lobos que afugentara todos os seus companheiros. Quando finalmente se deu conta do perigo, o alce correu assustado para o mato. Mas, enquanto corria, seus chifres se embaraçavam nos galhos, deixando-o quase ao alcance dos lobos. Por fim o alce conseguiu escapar dos perseguidores, graças às suas pernas, finas e ligeiras.

Ao perceber que já estava a salvo, o alce exclamou aliviado: – Que susto! Os meus chifres são lindos, mas quase me fizeram morrer! Ah, se não fossem as minhas pernas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Sobre a vida

por Hilton Besnos

Não raras vezes buscamos, procuramos, saímos à cata, conversamos, descontraidamente ou não, a respeito do que imaginamos ser o “sentido da vida” – assim mesmo, aspeado, para mais ressaltar tal expressão que tanto motivou e motiva a todos de modo geral e a filósofos e pensadores de modo mais próximo, deixando a cada qual que a interprete na conformidade de suas vivências e trazendo sempre novas possibilidades de indagação. Há fatos que ocorrem no bojo do que denominamos senso comum, entendido como o pensamento do cidadão médio, e que integram o saber ou sabedoria populares que em boa parte fundam-se no empirismo. Muitos desses saberes explicitam-se pelos “ditados populares”, cuja abrangência limita-se tendo em vista as culturas e as historicidades dos seus autores. Quando dizemos que as pessoas devem ter um meio legal ou legítimo que aponte de onde vem o seu suporte financeiro, estamos referindo-nos ao senso comum e que o direito consagrou. Contudo há situações que não estão dentro do previsível e que nos fazem refletir profundamente a respeito da existência de um cerne, anima, alma metafísica que imprime a vida uma qualidade que não nos é perceptível, menos ainda apreendida. Essa essência que transcende o comum, interage constantemente com o imprevisível, de um lado, e o esperado, de outro, com a infortunística e com o senso-comum, com o destino (se assim quisermos chamar) e com o sabido, o acaso e o rotineiro. Seria razoável se representássemos a vida por um símbolo ying-yang ou talvez entre Tanathos e Eros? Possivelmente não, pois a mesma estaria em fluidez entre os limites simbólicos expressos; a vida é pulsão, é reconstruir, o tênue que dá-se entre o conhecido e o desconhecido, entre a razão e o sentimento, entre o efêmero e o que cria raízes, esse o universo em que nós todos nos movimentamos, e aí recriamos nossas existências, reescrevemos nossa história, mesmo que para alguns os capítulos sejam monótonos ou monocórdios ou mesmo tenham seus atores perdido a vontade de compor ou recompor o dinamismo vital: mesmo assim a pulsão estará lá.
Estamos insertos no dinamismo e pulsar vitais, dentro do que a cultura recebida e vivida em nossas circunstancialidades aponta; somos portanto seres em construção, mesmo que tenhamos optado por darmos um caráter absolutamente rotineiro ou burocrático à nossa própria existência. A profundidade das mudanças manifestar-se-á dentro de décadas ou de dias, seguindo ritmo próprio e natural.
Temos aqui que fazer um pequeno recorte, que abarca o glamour fantasioso e irresistível da expressão destino que, para muitos, é um dado metafísico que tem uma função determinante não só na estrutura dos fatos, mas rege modificações interessantes na própria vida das pessoas. Destino é algo que você acredita que exista ou não, pelo menos no que concerne àquele ter força suficiente para modificar os fatos futuros. Se você crê firmemente em tais assertivas, o sentido da vida será o curso do destino, capricho da sorte. Cessam aí as dúvidas, porque a certeza reside justamente na incerteza do que virá. Deuses regerão os caminhos da vida, dos quais seremos navegantes, já com todos os portos e cais pré-determinados.
Quando os fatos da vida nos surpreendem, especialmente de modo desfavorável, na maior parte das vezes não conseguimos entendê-los, apenas sentimos o impacto e as alterações que virão a partir daí; nem sempre a resignação acompanha nossos sentimentos. Angustiados, não nos acorre nada que seja razoável: muitas vezes a injustiça, a perda permanente ou não de quem amamos, uma doença, enfim, apenas transmite-nos dor, desamparo, impotência, desolação. Muitas vezes parece que estamos absolutamente jogados ao caos, e que a vida perde seu sentido.
Aí quando a surpresa nos abate muitas vezes nos interrogamos: há sentido em tudo isso? Há sentido na miséria, na violência, nos crimes, nos ataques sangrentos, nos homicídios, nas doenças insidiosas, na injustiça? Há sentido na sexualização exacerbada das crianças, há sentido na pedofilia, na fome, na usura, no ganho desmesurado, no racismo, nos extremistas e nos fanáticos, entre outros? E aí, forçosamente temos de admitir que, a exceção dos flagelos naturais e das doenças, a construção de uma sociedade reflete sua historicidade, sua cultura mas, sem dúvida, também mostra, claramente, seu grau de educação e seu leque de livre-arbítrio. Quando não há solidariedade, há exacerbação da miséria, há um leque de necessidades intocadas. Quando não há trabalho, quando não há lazer, quando a violência campeia, por certo há menos cultura, menos comida, menos habitação, e especialmente, menos educadores e educandos. A falta de ética é uma opção social, como as demais. E os intérpretes e atores de todos esses atos que compõe a sociedade humana somos nós mesmos. Não há porque buscar no outro o que negamos a nós mesmos: o auto-conhecimento, a disciplina, o amor, a meiguice, a delicadeza. E só podemos descobrir sentido na vida, mesmo em suas catástrofes pessoais quando desenvolvemos um profundo senso de ética, de amorosidade, quando passamos da posição de juízes à posição honesta de observadores e atores. Interagimos com a vida, sendo parte dela, e por isso a recriamos em nossa carne e nosso espírito.
A religiosidade não é algo que garanta que seremos solidários, amorosos e especialmente que nos importaremos com o outro. Contrariamente, podemos usar um simulacro para justificar nossas próprias indiferenças. A própria organicidade ou fundamento das religiões pode dar-nos um estuário para que, freqüentando templos, mesquitas, igrejas, sinagogas, e outros locais dedicados ao espírito, possamos continuar ensimesmados em nossos invólucros de egoísmo, senão vejamos.
Dizem as religiões haver um ser superior que controla e vê tudo, que nos observa mesmo antes de nascermos. E nos perdoa sempre desde que nos arrependamos de nossos pecados com sinceridade, tendo por todos seus filhos a mesma consideração e amor. Ora, a idéia de um grande pai que nos orienta e nos dará seu perdão eterno e irrevogável poderá ser entendida por muitos como um ato de liberalidade; se assim for, mesmo que não sigamos os caminhos religiosos institucionalmente traçados para atingir a glorificação, ao cabo e ao fim estaremos perdoados, o que reforça o glamour do destino, ou, em outras palavras, a indecisão do que virá ou advirá de nossos comportamentos poderá ter uma solução romântica, ou uma sustentação no improvável, na essência do non-sense. Uma gotinha de caos libertador no cotidiano, a teoria do destino…inclusive para refutar o que entendemos seja livre-arbítrio…
Para quem, contudo, não crê em tal possibilidade, abrem-se outros caminhos que poderiam ser trilhados para entender o que seria, afinal, tal “sentido”. No meu entender, há muito de circunstancialidade, muito de avizinhamento e uma dose larga de livre-arbítrio. Creio sermos os protagonistas de nossas expectativas, o que significa dizer claramente que construímos e reconstruímos diuturnamente um sentido para a vida, e somos (re)construídos por esse mesmo sentido, a partir da imersão em nossas próprias circunstâncias e nas do outro e em que nos avizinhamos da realidade externa e de nossos próprios desejos e capacidades. Não somos, pois, perfeitos e acabados, mas menos uma pluma que o vento joga a seu bel-prazer e de acordo com as suas correntes. Estamos em construção, e é o ritmo dessa que nos vai tornando pessoas mais conscientes do que somos.
Quando falo em circunstancialidade, quero dizer que nunca viajamos sós, porque nossa cultura nos acompanha, nossos ritmos continuam nos pressionando a agir desta ou daquela forma. Somos nossas circunstâncias, estamos imersos nela, e nossa própria moralidade e senso de ética estão aportados em tais aspectos. Muitas vezes não vemos sentido em decidir desta ou daquela forma, e quanto mais complexos os assuntos, mais forçam uma aparência simples, quase sem maiores conseqüências. Tomemos cuidado, ao permitirmos que as circunstâncias tenham a capacidade de iludir-nos, fazendo-nos ver apenas o que não passa de momentâneo, mas que toma foros de verdade absoluta, porque nossa possibilidade de enxergar está razoavelmente comprometida… as vezes é necessário que não decidamos, mas que permitamos que o tempo opere seus efeitos.
Avizinhamento tem justo o sentido da palavra: vizinhança, avizinhar, limítrofe, estado de limite. Estamos nos aproximando de um determinado ponto, de um determinado referencial. Podemos ou não rejeitá-lo, e agiremos na conformidade do que nos for possível escolher. Outrossim, num mundo absolutamente padronizado, talvez não vejamos em princípio,sentido em duas situações: na primeira, como não sentirmo-nos presos dentro dessa visão de estranheza e na segunda, porque contestar o que já está posto, o que já introjetamos como mais ou menos inalienável, correto, não-precário, enfim, todas essas noções que conhecemos de longo tempo.
Temos medo dos nossos vizinhos, do que eles possam pensar, das suas fronteiras, do pensamento deles, mesmo temos medo de seus ócios, então preferimos, não raras vezes, ignora-los, deixamos de vizinhar, tornamo-nos estéreis em meio a pedras. Esquecemos que o isolacionismo de há muito mostrou e mostra suas desvantagens. Deixamos de apoiar e dar apoio. Deixamos, simplesmente deixamos que aconteçam arbitrariedades, nos tornamos veículos indiretos das mesmas, porque fomos acostumados a pensar de modo pragmático unicamente em nossos umbigos…Não somos solidários ou se o somos, pretendemos fazê-lo quanto mais distanciado do outro, melhor…Existem movimentos no mundo inteiro, especialmente de ongs para que possamos dar maior apoio a quem necessita, o que já é muito bom, despertando o sentimento de que, antes de sermos vizinhos, talvez sejamos simplesmente pessoas em busca de outras, querendo todos carinho e solidariedade, em contraponto a uma vida gris; contudo, essa nossa tendência ao individual, ao narcisismo pode, sim, trazer conseqüências a todos nós, tendo condições plenas de alterar, para melhor ou pior o “sentido” de nossas vidas.
Livre-arbítrio…rios de tinta já foram escritos sobre o livre-arbítrio. Digo simplesmente que entendo-o como nossa capacidade de dispor. Especialmente de nós mesmos. Analisar o livre-arbítrio é tarefa vastíssima que merece e demanda mais que meia dúzia de idéias, talvez algumas mal acolchoadas…sendo ele no entanto não é razoável que esqueçamos que o livre-arbítrio é mais do que um item que se disponha quando nos referimos a esse assunto: é, sim, uma mola propulsora…
Enfim, talvez o sentido da vida seja bem mais que uma metáfora, da qual desempenhamos não só o papel do crítico, mas especialmente, do autor e ator que irá dar cor, sentimento, e os marcos referenciais que reconstruirão incessantemente seu próprio caminho. Entender que a vida tenha um sentido é entendermos nossa possibilidade de intervir, interagindo de modo ético e humano com nossa própria existência e com a do nosso irmão. HILTON BESNOS

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Fotos, Davi Pinheiro

por Hilton Besnos

 

2015 BEIRA MAR – Fortaleza-CE

Autoria e outros dados (tags, etc)

13
Ago15

Colonialismo cultural

por Hilton Besnos

A DO DIA. Desde o paradigma cartesiano (René Descartes, 1596 – 1650) e da Revolução Francesa, passamos a pensar em termos de duplicidades excludentes entre si, o que influenciou decisivamente não apenas os critérios científicos e políticos, mas também o modo de vermos o mundo. Hoje em dia, embora pensadores como Einstein, Heisemberg, Morin, Capra e outros nos ensinarem que soluções parcialistas e padrões excludentes entre si não mais explicam o mundo em que vivemos, insistimos em um gap cultural, como diria De Masi. Continuamos nos relacionando e vendo o mundo em termos de padrões excludentes sem sentido.

Por isso, assim como o pensamento descartiano nos fazia crer em padrões dissentes (dia, noite – espírito, matéria – bem, mal – razão, sentimento – céu, terra – escuridão, clareza – direita, esquerda et caterva) e incorporamos esse tipo de raciocínio, temos dificuldades enormes de encararmos a realidade simples, e, especialmente, de transitarmos entre essas duplicidades do cotidiano e dos nossos semelhantes.

Nesse sentido, creio que aprendemos pouco desde o século XVII. Por isso, embora os próprios físicos insistam em que o observador não é neutro, na medida em que não pode abortar suas próprias ideias a respeito do que observa, continuamos nos degladiando ad eternum para provarmos que nossas teses são as mais corretas, que nossas verdades são as mais irretocáveis, que as nossas ironias são humor, que as nossas falsidades são um exercício metafórico, e que o poder somente será melhor se estiver nas mãos de quem elegemos para tanto.

Na verdade somos ingênuos. Talvez a maior dessas vilanias seja pensarmos em que os demais é que são ingênuos, desprezarmos a inteligência alheia ou – pior – não seguirmos o que nos disse e nos ensinou Paulo Freire – aprendemos com o outro e através do outro ou, para quem gosta de literatura, citando ocasionalmente Saramago – tentar convencer o outro de nossas convicções não passa de colonialismo cultural.

Abraços a todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 20/20



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D